terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Dicas de passei em Bogotá.

Bogotá, capital da Colômbia, é o principal centro cultural e econômico. Para os viajantes, indico os três passeios mais conhecidos da cidade.
O primeiro é uma visita de teleférico ou funicular para conhecer a cidade do alto. Cerro de Monserrate, uma linda vista panorâmica, à mais de 3.000 metros. Para os viajantes com deficiência e mobilidade reduzida indico somente o passeio por teleférico. Ambos os trajetos possuem muitos degraus para acessar o transporte, a diferença é que no teleférico parte dele tem uma adaptação para subir com um elevador pela lateral da escada. Infelizmente, nos dias de feriado o funcionário responsável não fica para dar auxílio. Também existe o problema de caso o visitante dessa depois das 16h, poderá fazer somente pelo funicular, e precisará ser carregado pelas escadas com a ajuda de funcionário. Devem ter cuidado também com as escadas próximas do santuário e o piso irregular de pedras. Mesmo para idosos e famílias com crianças pequenas ou em cadeiras de bebês é bem íngreme a caminhada.
A segunda dica é uma visita ao Museu Botero, em que também poderão encontrar obras de pintores famosos que pertenciam à sua coleção particular e foram doados ao Museus del Banco de la República. Também encontrarão toda uma parte dedicada a impressa e moedas. Esse grande complexo se divide em um lindo casarão de época, com muitos jardins internos. Pode ser marcada visitas guiadas, mas apenas em espanhol. Uma das funcionárias me informou que em parte do museu existe rampas, elevadores e banheiro adaptado. Infelizmente, estão atualmente sem audio-guia e não há tradução para o inglês, também não existe visitas guiadas para pessoas cegas e surdas. Há uma sala dedicada as famílias e crianças, com algumas obras interativas. Para saber o horário que oferecerão atividades com os educadores deve ver o agendamento prévio do museu.
A terceira dica é o Museu do Ouro, também faz parte dos Museus del Banco de la República. Com uma exposição permanente que mostra sobre a arte pré-colombiana e exposições temporárias, no caso, "Molas - tecidos bordados com desenhos geométricos que representam proteção." Fica num prédio no centro, com uma ótima infra-estrutura para receber pessoas com deficiência física e mobilidade reduzida, com rampas e elevadores. Também oferecem visitas guiadas para grupos de pessoas surdas, que devem ser agendadas previamente. Para as famílias com crianças pequenas existe o trabalho do educativo, que propõe atividades interativas. Uma das salas tem um cinema que dura em média 15 minutos, em que duas crianças podem jogar de adivinhar sobre peças da arte pré-colombiana. Também oferecem um programa dedicado às escolas e para estrangeiros tradução em inglês. Atualmente estão atualizando o audio-guia e não oferecem o serviço de audiodescrição. 


Descrição: Edifício que dá entrada ao Monserrate. Um grande sobrado branco, com arcos na parte de baixo e janelas na parte superior, enfeitado por flores de plástico brancas e vermelhas muito grandes. Uma grande montanha ao fundo e cabos do teleférico. 
Descrição: Montanha de Monserrate, muito arborizada, com grandes enfeites coloridos de flores e animais. Um teleférico pendurado por cabos na parte superior.


Descrição: Santuário de Monserrat. Edifício branco, com quatro grandes pilastras na frente, enfeitadas acima com folhagem e bolas vermelhas de plástico e uma torre no canto superior esquerdo.



Descrição: Daniella agachada ao lado de Myguel, com um grande presépio ao fundo, feito de metal e recoberto por tecido pintado.


Descrição: Vista aérea da cidade.

Descrição: Foto do peito para cima de Myguel no colo de Daniella. Usam gorro, cachecol e casacos. No fundo, vista da cidade de Bogotá.

Descrição: Funicular, o teto é de metal com grandes janelas de vidro que é possível ver a cidade de Bogotá.

Descrição: Jardim interno do museu. Uma fonte jorrando água no centro, três jardins de flores vermelhas com folhagens. No fundo um sobrado branco, com arcos.

Descrição: Daniella está com Myguel no colo, dando tchau com a mão direita. Estão bem agasalhados. Atrás, uma grande escultura em formato de mão de Botero. 

Descrição: Escultura em bronze de Botero na frente. Uma mulher gorda nua, deitada de barriga para cima. No fundo, quadros com desenhos de personagens de Botero.

Descrição da Foto: Quadro pintado por Botero reinterpretando a Monalisa.



Descrição: Myguel brinca de fazer colagem com feltros coloridos em um quadro. Uirá está de pé atrás dele. Estão na sala de atividades para crianças no museu, com grandes retângulos de espuma coloridos espalhados e dois quadros coloridos na parede com feltros colados.
 
Descrição: Grande medalhão de ouro, em formato arredondado com uma face esculpida, com adorno pendurado no nariz e orelhas. Eles eram usados pelos caciques para representar poder e proteção.

Descrição: Pequena escultura em ouro representando asas abertas. Acima, pedra e um pequeno bastão de ouro, abaixo, desenho de uma mão esculpindo, representando como foi feita a peça.

Descrição: Myguel no canto direito, embaixo se apoia numa plataforma que retrata esculturas que trariam poder e proteção aos indígenas. Cinco esculturas em pedra, sendo quatro de pé, representam humanos e uma deitada, representa um jaguar.



Descrição: Tecidos retangulares bordados chamados de molas. Conhecidos por sua proteção espiritual. Estão pendurados em um varal, o de cima tem fundo laranja, o de baixo fundo branco, ambos com bordados geométricos de preto. Em cima em forma de retângulo, em baixo em formato circular.

Descrição: Sala interativa com imagens coloridas de mola projetadas sobre o corpo de Daniella que está de pé com os braços abertos para os lados.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Visita à Cartagena - cidade encantada de belezas naturais.

Cartagena das Índias fica na Colômbia, conhecida por suas belas praias e o escritor famoso Gabriel García Márquez. Sempre com temperaturas altas, diferenciando o inverno do verão apenas pelo período de chuvas. Um belo passeio para todas as idades. Tenho algumas recomendações para pessoas que viajam em família e com pessoas com deficiência. A cidade amuralhada pode ser visitada de várias formas, à pé, por um passeio com guia, ele pode fazer parte de um pacote que se compra do ônibus turístico vermelho. Uma outra forma são as bicicletas que podem ser alugas em vários pontos da cidade, inclusive com bicicletas duplas, que podem ser usadas em família e por pessoas cegas e com baixa-visão que vão no banco detrás. Também oferecem cadeirinhas para crianças. Existe também a possibilidade de usar carruagens, recomendo essa para pessoas com mobilidade reduzida, idosos e grandes famílias com bebês. Vale a pena passar alguns dias conhecendo todos os pontos turísticos e principalmente, caminhando em volta da cidade amuralhada. Existem partes que não são de fácil acesso e possuem muitas escadas. As portas e as floreiras nas varandas são um detalhe que chamará sua atenção nos passeios que são lindo tanto de dia, quanto de noite, com a cidade iluminada.
As praias são um passeio imperdível, seja em Bocagrande, mais central, ou as ilhas do Rosário e a famosa região de Baru, com a praia Blanca. Você pode visitar de duas formas, por terra, através de ônibus turístico agendado geralmente nos hotéis ou carro alugado e por mar. Esse ponto, acho muito importante alertar que não recomendo para pessoas que tem problemas cardíacos, de coluna ou mesmo idosos e crianças pequenas irem por mar. Quando você for comprar o passeio no porto verá duas possibilidades. Uma grande escuna e uma lancha que abriga até 50 pessoas. Essa lancha percorre à mais de 60 quilômetros por hora, sendo que os passageiros usam apenas um colete salva-vidas. Muito instável, várias pessoas da lancha passaram mal durante nosso passeio e por isso optamos por retornar da ilha alugando uma van. Vale ressaltar que os fiscais no Porto em nenhum momento lhe alertam para os possíveis problemas que poderão ocorrer durante a travessia.
Há muitos lugares com comidas típicas que poderão desfrutar de uma alimentação rica em manga e outras frutas locais. Para os vegetarianos como eu, recomendo o restaurante Girassoles, que fica no centro da cidade amuralhada. 
Agora é só planejar e desfrutar de lindos momentos!
 
Descrição: Praça do Relógio. Uma Torre com um grande muro amarelo. Embaixo, um arco de passagem para os pedestres.



Descrição: Sobrado branco com sacada florida em uma rua que está enfeitada com a parte superior de garrafas pets coloridas penduradas em dois presos no alto da rua.

Descrição: Foto da cintura para cima de Daniella na frente de um sobrado com sacada florida.
 
Descrição: Daniella está de pé na frente de uma grande porta de madeira escura. Segura um puchador preso a uma maçaneta em formato de cabeça de felino.



Descrição: Porta de madeira pintada de branco com ferragem escura. São pequenas esperas com tema floral distribuídas na horizontal. No canto esquerdo uma grelha. No centro dois puxadores. No canto direito um cavalo marinho.


Descrição: Daniella sentada de perfil na parte superior da mulhara composta por grandes pedras. No fundo, a cidade.
 
Descrição: De noite, um grande pátio na frente de um hotel amarelo no canto esquerdo. O pátio tem árvores, mesas e cadeiras brancas, contornado por uma iluminação branca, com muitas pessoas.

Descrição: Grande veleiro com os mastros iluminados.

Descrição: Uirá e Daniella de pé seguram as bicicletas, enquanto Myguel está sentado na cadeirinha de passageiro. No fundo, grande árvore de Natal toda iluminada.

Descrição: Na frente, barragem de pedras. No fundo, canto esquerdo a praia de Bocagrande com edifícios, pessoas caminham na orla e o mar.

Descrição: Lancha visita as ilhas do Rosário. Mar de águas claras, árvores, arbustos e uma casa no canto direito da Ilha. No céu, muitas gaivotas.

Descrição: Praia Blanca no canto esquerdo, mar de águas claras, árvores, bangalôs e muitos guarda-sóis. Céu azul claro.

Descrição: Mar azul esverdeado. Muitos peixes nadam. Eles são ralados de amarelo e preto.


sábado, 10 de dezembro de 2016

32ª Bienal de São Paulo – Incerteza viva.

A Bienal "busca refletir sobre as atuais condições da vida e as estratégias oferecidas pela arte contemporânea para acolher ou habitar incertezas." A exposição reuniu aproximadamente 90 artistas e coletivos. O visitante com deficiência terão a oportunidade de fazer sua visita mediada em dias da semana pré-determinados pela Bienal, a agenda se encontra no final dessa matéria. Eles contam com uma mediadora que se utiliza da audiodescrição, uma intérprete de Libras e um mediador surdo. Para as pessoas que necessitarem de apoio de cadeira de rodas, podem solicitar ajuda no balcão central, já que para transitar no prédio da Bienal é feito apenas pelo acesso as rampas.
Uma oportunidade das pessoas com deficiência tocarem algumas obras que fazem parte do percurso com acessibilidade, acompanhados dos mediadores. Vale lembrar que essas obras foram liberadas pelos próprios artistas que se apresentam na Bienal. 
Que possamos cada vez mais tornar a arte acessível para todos!


Descrição da Foto: Painel tátil com fundo branco com contorno preto, retangular na vertical. No fundo, na parte superior um caranguejo em preto em branco sem a pata esquerda. Um losango azul recortado no canto esquerdo. Embaixo em relevo e braille escrito em preto Incerteza Viva.

Descrição da Foto: Maquete do Prédio da Bienal. Um prédio retangular, teto cinza, contornado de branco. A parte da frente toda envidraçada. Está dentro do parque com uma parte de um gramado verde uma parte chão de cimento.

Descrição da foto: São troes obras, na frente um carrinho de mão com duas almofadas e um guarda-sol. No Fundo um carrinho de mão com garrafões de água. No fundo, canto direito, dois painéis, um azul escuro ao lado de um laranja, com bordados geométricos,

Descrição da Foto: Troncos de árvores na vertical, presos com uma base de madeira esculpida. Alguns apresentam um relevo como faixas na horizontal coloridos.

Descrição da Foto: Grandes caixas de Som, numa sala escura. Dois castiçais com velas acesas estão na frente das caixas.

Descrição da Foto: Na área externa, três grandes vasos, dois deles feitos com pneus de caminhão um sobre o outro e, um de cimento. Eles tem plantando Plantas Alimentícias Não Comestíveis - PANCs.

Descrição da Foto: Daniella está de costas, com o ouvido encostado numa grande tubo de metal que vai até o lado de fora do prédio da Bienal. A ponta de fora está próxima da folhagem de uma palmeira. 

Descrição da Foto: Daniella está debruçada sobre as obra, feita de madeira e recoberta de argila. A mão apoiada um decalque de outra mão impresso na peça. Um desenho de uma estrada também faz parte da obra.

Maiores Informações:
7 de setembro a 11 de dezembro de 2016 
Curador: Jochen Volz 
Cocuradores: Gabi Ngcobo, Júlia Rebouças, Lars Bang Larsen e Sofía Olascoaga

ter, qua, sex, dom e feriados: 9h - 19h (entrada até 18h) / qui, sáb: 9h - 22h (entrada até 21h)
Fechado às segundas / Entrada gratuita


GRUPOS AGENDADOS

ter, qua, qui, sex, sáb e dom: visitas com 2 horas de duração

Para grupos a partir de 10 pessoas, agendar pelo telefone 
+55 (11) 3883.9090 (Diverte Cultural)

LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

Visitas em inglês e espanhol 
Agendamento com 48h

VISITAS EM LIBRAS E MULTISSENSORIAIS

Atendimento para a pessoa surda
qua, sex e sáb: 11h30
Atendimento para a pessoa cega ou com baixa visão
qua e qui: 11h30 e 17h 

Para as visitas em libras e multissensoriais procure os balcões de atendimento nas entradas da exposição nos horários indicados acima. ​

CADEIRA DE RODAS

Os visitantes que precisarem de cadeira de rodas devem dirigir-se aos balcões de atendimento nas entradas da exposição​. As visitas com cadeirantes têm o auxílio de funcionários da Bienal para condução nas rampas.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Arte no Parque - Virada Inclusiva.

 Para celebrar a Virada Inclusiva realizamos uma oficina com desenho, música e movimento voltada para o público infanto-juvenil e suas famílias. Durante a atividade trabalhos com o desenho de observação da representação da natureza do parque. As crianças e suas famílias puderam aprender os  recursos de audiodescrição, descrevendo seus desenhos e a Libras, aprendendo os sinais referentes as formas e cores. A música e o movimento complementaram a oficina, servindo como novas referências para o trabalho. Aguçamos o olhar dos participantes para a importância de estar em contato com a natureza, o respeito ao olhar do outro e suas criações e aprendendo novas formas de comunicação e expressão. Investir em arte acessível desde a infância é propiciar uma sociedade que aprende na diversidade.
Local: Parque da Juventude (Biblioteca de São Paulo)
Dias: 03 e 04 de Dezembro
Horário: 11 às 12:30h

Descrição da Foto: Daniella sentada num banco, segura um papel, na frente de uma mesa com desenhos. Do outro lado, três meninas de pé observam atentamente, e seus pais sentado. Estão em uma biblioteca. 

Descrição da Foto: Um menino de 7 anos, desenha uma árvore sobre o papel que está em cima de uma mesa.

Descrição da Foto: Menina segura um desenho de uma árvore que fez para a oficina.

Descrição da Foto: Menino segura um desenho de várias árvores entre pilastras que fez para a oficina.

Descrição da Foto: Imagem que o menino utilizou de referência para fazer o desenho com várias árvores entre pilastras.

Descrição da Foto: Elsa está sentada num banco no canto esquerdo, entre ela e um grupo de familiares,  crianças e adultos, uma mesa com muitos desenhos. Elsa sinaliza para eles, enquanto tentam repetir. Estão numa biblioteca. 

Descrição da Foto: Mão de uma criança que desenha na palma da mão de uma mulher. Abaixo, sobre a mesa, desenho de um sol e um céu com gaivotas feito pela criança.

Descrição da Foto: Elsa está sentada num banco no canto esquerdo, entre ela e um grupo de familiares,   mãe e seus dois filhos, uma mesa com muitos desenhos. Elsa sinaliza para eles, enquanto tentam repetir. Estão numa biblioteca. 

Descrição da Imagem: Menino está de pé, num jardim. Ele faz a representação da natureza. Usa camiseta branca e calça preta. Sobre a cabeça, dois lenços azuis amarrados, um de cada lado. Na mão direita segura um lenço azul escuro com o braço dobrado. Na mão esquerda segura um lenço vermelho com o braço estendido, cruzado sobre o direito. Atrás dele uma pilastra, cerca e árvores.

Descrição da Imagem: Menina está de pé, num jardim. Ela faz a representação da natureza. Usa camiseta branca, com desenho de coruja e calça preta. Sobre a cabeça, lenços coloridos trançados, atrás um lenço preto. As mão direita seguram uma ponta de cada lado do lenço preto. Atrás dela uma pilastra na horizontal e árvores.

Descrição: Elsa e Daniella sorriem para a foto, entre seus rostos um desenho de uma árvore. No canto esquerdo, no fundo, um menino desenha ao lado do pai.


domingo, 13 de novembro de 2016

Oficina de Dança Educativa - Vila Velha/ ES.


Os participantes são convidados a vivenciar exercícios que promovem a consciência corporal, noção espacial e o desenvolvimento da criatividade, através do resgate do movimento orgânico. Esse trabalho é voltado para todas as idades, propiciando noções individuais e em grupo, favorecendo o processo de socialização e auxiliando na aprendizagem em sala de aula.
Confira nossas fotos:


Descrição da Foto: Um grupo de sete pessoas de pé em círculo, cada um tocando uma instrumento de percussão miúda, com duas mulheres no centro, de frente para a outra, tocam no o Congo.

Descrição da Foto: Um grupo de seis pessoas de pé em círculo, cada um tocando uma instrumento de percussão.

Descrição da Foto: Os educadores caminham em grupo, como uma revoada de pássaros.

Descrição da Foto: Oito educadores caminham enfileirados em zigue-zague, com o tronco levemente abaixado. A primeira da fila toca uma kalimba com o tronco arqueado para frente.

Descrição da Foto: Os educadores caminham enfileirados, fazendo uma grande curva. A primeira toca um instrumento e caminha na ponta dos pés.

Descrição da Foto: Os educadores caminham enfileirados, olhando para cima. O primeiro toca uma kalimba.

Descrição da Foto: Os educares estão agrupados em círculo, tocando tambores de mão de diferentes tamanhos de olhos fechados.

Descrição da Foto: Quatro educadoras tocam os tambores de mão de costas uma para as outras.

Descrição da Foto: Três duplas de educadores tocam instrumentos de percussão miúda um de costas para o outro.

Descrição da Foto: Os educadores estão deitados no chão, massageando seus rostos. Daniella está no canto direito no fundo, sentada de pernas cruzadas, conduzindo a atividade.